Sallim
Évora
SHE
Gratuito / 3 eur Novos Sócios

00

--

Road to SBSR”: 25 anos, 25 concertos por todo o país. Conan Osiris, Conjunto Corona, Galgo, Glokenwise e Sallim abrem caminho para o Super Bock Super Rock, com warm up durante dois meses.

Image
06

abr

  •  

Évora

  •  

SHE
26

abr

  •  

Lisboa

  •  

Lounge
04

mai

  •  

Aveiro

  •  

Mercado Negro
18

mai

  •  

Póvoa de Varzim

  •  

Café Schmits
01

jun

  •  

Bragança

  •  

JP Rock

Em territórios mais alternativos, não há dúvida de que alguma da melhor música portuguesa dos últimos anos saiu da editora Cafetra. Sallim é um dos melhores exemplos disso mesmo. Chama-se Francisca Salema e começou a assinar Sallim graças ao tumblr que criou em 2013. Andou em Belas Artes, depois mudou-se para para Letras, e talvez haja um pouco desses dois universos na música que faz: a construção de uma atmosfera muito própria, muito visual, acompanha o gosto por cantar em português, com um enorme à vontade com a nossa língua. Em 2016 editou “Isula”, o seu primeiro disco. Folk à portuguesa, dream pop ou qualquer outro rótulo parece chocar com a verdadeira motivação de Sallim: fazer canções e fazê-las bem. E é isso que continua a fazer, de ano para ano. E no início deste ano de 2019, editou o seu segundo disco, “A ver o que acontece”. Gravado no Golden Pony entre Maio e Junho de 2018, este segundo registo foi produzido por Eduardo Vinhas e pela própria Sallim. As letras são de uma simplicidade pdesarmante e revelam algumas dores de crescimento da parte de alguém que às vezes “só quer ficar na cama”. As canções, essas, continuam um encanto, como se percebe quando ouvimos “Primavera Nova” ou “Não Vale a Pena Pensar”. Mas vale a pena ver ouvir Sallim, dia 18, no Palco LG.

Image