Rui Vargas
Palco Somersby (Sala Tejo)
04:50
15
Jul

A 14, 15 e 16 de julho, o Super Bock Super Rock regressa ao cenário idílico junto à praia do Meco, o novo, mas já familiar ponto de encontro para milhares de amantes de Música..

Image

Pode-se pensar que é tarefa difícil andar por cá há muito tempo e ainda assim ser uma referência para o futuro, mas isso é exatamente o que Rui Vargas representa no panorama da música de dança portuguesa. Sôfrego em partilhar descobertas musicais para um grupo maior que apenas o dos amigos, um jovem Rui dá por si a iniciar a carreira de uma vida: a de homem da rádio e pouco depois, em 1988, a de DJ - no Frágil, um pequeno e agitado clube que para sempre iria mudar a vida noturna da capital. Não só testemunhou a explosão sonora que o house e techno tiveram no país, mas viria mesmo a contribuir diretamente para a mesma, tendo desde o início delineado um estilo distinto para o que faz e que pode ser descrito como a habilidade inata de escolher o melhor disco para qualquer altura, seja numa pequena e íntima pista ou nas tarefas de cabeça de cartaz dos maiores festivais. Isto explica a aparente facilidade com que conduz as suas sessões de 7 horas no mundialmente famoso Lux-Frágil (clube onde, desde a abertura, há 17 anos, é residente e programador), bem como as suas atuações em sítios-chave do planeta tais como o Panorabar e Watergate (Berlim), Ministry of Sound (Londres), D-Edge (São Paulo), Goa (Madrid), Showcase (Paris) ou Kama Kama (Toscânia). Com uma carreira de mais de 25 anos, Rui Vargas continua a ser um dos maiores – e mais apaixonados – divulgadores de música em Portugal. Já são muitos anos a ver e ouvir de quase tudo, mas Rui Vargas continua de foco firme no futuro. E essa sua visão pode ser testemunhada pelo público do Super Bock Super Rock, dia 15 de julho, no Palco Somersby.

Image