sbsr
Branko
Palco EDP
18
jul

A 18, 19 e 20 de julho, o Super Bock Super Rock regressa ao cenário idílico junto à praia do Meco, o novo, mas já familiar ponto de encontro para milhares de amantes de Música..

Image

Branko é um dos grandes nomes da música portuguesa. Quem o vê a andar pelas ruas de Lisboa até pode confundi-lo com um turista nórdico. A realidade é bem diferente, no entanto: Branko cresceu na Amadora, uma Amadora cheia de gente bem diferente, algo que viria a influenciar a sua música. Esse ambiente caracterizava-se pelas tensões raciais, pelo crime e também por epidemia de heroína; por outro lado, havia amizade, o encontro com a diferença e uma solidariedade rara nos dias de hoje. Tudo isto formou Branko, que sempre soube canalizar as suas angústias e a sua energia para a música. E isso deu frutos, como bem sabemos. Ele é um dos homens por trás dos Buraka Som Sistema, provavelmente o projecto que melhor ficou o som de uma nova Lisboa. Temas como “Kalemba (wegue wegue” ou “Hangover” marcaram uma década de música portuguesa, mostrando ao mundo uma cidade mudada, efervescente e multicultural. Apesar deste sucesso, Branko nunca desistiu do seu percurso a solo e no ano de 2015 editou o seu primeiro disco. “Atlas” era um registo inspirado pelas suas viagens pela Cidade do Cabo, Nova Iorque, Amesterdão ou São Paulo. Há muito mundo naquelas canções, e nos anos seguintes Branko abre-se ainda mais ao mundo como produtor de nomes como Santigold, Anik Khan ou M.I.A. E eis que chega o momento de editar um novo disco. “Nosso” conta com colaborações com nomes tão diferentes como Sango, Cosima, Mallu Magalhães, Dino d'Santiago , Pierre Kwenders, Dengue Dengue Dengue! Segundo Branko, este disco “é a definição de partilha e colaboração entre artistas, criando e misturando visões e estilos musicais”. O resultado pode ser ouvido no próximo Super Bock Super Rock. Dia 18 de julho, no Palco EDP.

Image